Vem aí o melhor ano de vendas

O ano virou e é hora de dar os primeiros passos – com o pé direito, é claro!

As previsões são otimistas e 2011 começa com a expectativa de ser o melhor ano de vendas dos últimos tempos, já que a economia está aquecida, recuperada e pronta para os próximos saltos. O caminho para concretizar a profecia é um só: vontade de melhorar, treinamento e melhoria contínua.

Para que isso se torne realidade, precisamos nos atualizar e acompanhar os novos tempos. Já pensou no perigo: cliente modelo 2011 sendo atendido por um vendedor modelo 2000? Muitas oportunidades são perdidas diariamente pelo não desenvolvimento do profissional de vendas, por sua não adequação ao perfil do cliente que atende e principalmente pela resistência a aceitar as mudanças impostas pelo novo mercado de consumo.

Por vezes, não basta entender o mercado. É preciso conhecer cada cliente que o compõe, o que inclui decifrar hábitos, necessidades, preferências e, por fim, construir um ambiente no qual ele queira estar, onde encontre o atendimento desejado e que merece receber. Ao mesmo tempo, o vendedor precisa dominar três áreas de conhecimento: produto ou serviço que oferece, operações da empresa e técnicas de venda e atendimento.

Vender é a arte de fazer o que há de melhor para o pleno sucesso dos negócios, como apresentar soluções adequadas aos desejos e às necessidades dos clientes.

Prepare-se!
Já sabemos que a nova economia vem ditando regras em volume e velocidade, deixando para trás as empresas que estão despreparadas e hesitam em se adaptar. Afinal, como digerir tantas novidades, diretrizes, estratégias, costumes e, além disso, tomar decisões sobre novos questionamentos dos quais não se tem um histórico?

Entre os grandes desafios que vivemos atualmente, está a mudança significativa enfrentada pelo processo de compra e venda no varejo, ou seja, não se compra como no passado e, portanto, não se pode vender como no passado. O novo modelo de compra, ou, melhor dizendo, o novo modelo de consumidor apresenta as seguintes características principais:

Menos dinheiro
A sensação atual é a de menos dinheiro disponível para as compras, seja pela perda do poder aquisitivo, seja pela conscientização do consumo, seja principalmente pelo aumento da informação para julgar o custo-benefício do que se quer adquirir.

Menos tempo
A loucura do cotidiano, o intenso ritmo profissional, a luta para conciliar o lado profissional com o pessoal, sem contar a vontade de vivenciar novas experiências, nos fazem valorizar o tempo que gastamos e sermos cada vez mais criteriosos com isso, lembrando que ele é um recurso escasso e não renovável.

Mais escolhas
Com o crescimento do mercado e da concorrência e com a eliminação de determinadas fronteiras do consumo, o cliente – moderno e globalizado – se vê diante de um turbilhão de ofertas e tentações e tem direito absoluto de escolha.

Essas mudanças transformaram o consumidor em alguém mais questionador do valor que quer adquirir. Fazem com que ele não tolere a falta de profissionalismo ou de informação por parte de quem o atende. O que ele quer? Relacionamento sincero e transparente em vez de um simples atendimento. Quer mais do que gentilezas, falas e discursos bonitos. No lugar disso, ele busca soluções. Quer atenção individual e não tratamentos genéricos. Quer eficiência e não perda de tempo. Também não quer correr o risco de acabar tendo a sensação de desperdício.

Tente! Dá certo!

…..

.….

Deyse Isimar é psicóloga e coach, especialista em treinamento de varejo e serviços. Atende pela Treinare Consultores Associados.
deyse@treinareconsultoria.com.br